Bg_site_br

0

Detalhes tão pequenos – Como abrir um coco com classe.

15/08/2016 - 0 Comentários - Detalhes tão pequenos | Coco, Leite de coco, Leite vegetal, Vegano

Se você opta por usar coco embalado/desidratado nas suas receitas em vez da fruta fresca porque acha que abri-la em casa dá trabalho demais, aproveite o post de hoje! Vou te explicar como é simples e rápido de fazer, e ainda por cima com a maior classe ;)

Coco verde é menos comum de encontrar, e concordo que dá muita mão de obra. Essa versão deixo para aproveitar quando estou na beira da praia.
Mas o coco maduro a gente encontra em qualquer mercado, feira, sacolão e afins por preços ótimos, com a polpa macia, doce, e gordinha. E sem as desvantagens de compra-lo como produto processado: sem aditivos químicos, embalagens, sem adoçar ou desengordurar.

Vamos aos fatos.


1

Mas o quê? Raízes no café da manhã?!

01/07/2016 - 1 Comentários - Receitas | Abóbora, Batata, Batata doce, Inhame

Se lhe parece esquisito comer inhame, aipim, batata doce ou batata no lugar do pão, vamos pensar juntos um minuto:
- Diferente do pão, raízes (ou até mesmo um pedaço de abóbora) não tem como dar trabalho no preparo. Ou a gente põe em uma panela com água fria e leva a cozinhar até que esteja macio, ou leva ao forno médio em forma coberta com papel manteiga e deixa assar até ficar macio. Em no máximo 1 hora fica pronto o carboidrato pro café da manhã. (É claro que costumo fazer isso com antecedência, e em geral deixo pronta uma quantidade suficiente para a semana).
- Não tem glúten, nem lactose, nem soja, nem produtos animais, nem aditivos químicos...
- Não é refinado nem processado.
- É muito gostoso.

Quero mais o quê?


Existir não é um negócio simples, embora haja momentos absolutamente deliciosos nessa vida.
Dizem por aí que na adolescência a gente passa por questionamentos, dúvidas e tudo o mais. Mas, seriamente, há quem possa dizer que passou dos 20 e agora sabe o que fazer com tudo isso que a gente é?
Eu continuo sem saber, de verdade.

Quando eu morava em Sampa e esse sentimento ficava muito grande, no primeiro dia que tivesse folga ia para a Liberdade. É um lugar que sempre me fascinou, desde os primeiros meses na cidade. Percorrendo 4 estações de metrô, eu chegava a outro mundo. Bonito, intrigante, incompreensível. Ia passear, me perder nas ruazinhas, e por algumas horas absorvia o lugar só com os sentidos, sem pensar, sem tentar entender. Me reconfortava essa sensação de ser estrangeira.
E tem uma comida que pra mim resume e traz à tona todo esse clima: lámen.


2

Cozinha Conceitual e Prática – A repetição aperfeiçoa o gesto.

30/05/2016 - 2 Comentários - Cozinha conceitual e prática |

Texto de autoria de Daniel Vajani.

Os meus textos dentro desta coluna, contam minha trajetória profissional na gastronomia, portanto eles seguem uma cronologia, relato esta busca conforme ela ocorre, minha escrita é atada no presente, portanto não é possível controlar os desdobramentos que minhas ações irão acarretar ao longo desta produção.

Duas forças gritaram e me compeliram a produzir este diário. A primeira foi à necessidade pretensiosa de dar vazão à produção artística adormecida dentro de mim e sempre procrastinada, a outra  foi  a mudança de habitat que me propus ao abandonar tudo e todos e rumar para Florianópolis/SC, isso me possibilitou um recomeço, atado ao anonimato, neste ponto pude imergir dentro de mim, na busca do tão famoso "Porquê?”. 
Neste texto relato mais episódio desta busca...


Lembra o famoso ditado, “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.
Bom, faz sentido pra mim.
Se eu pintar um cavalo de listrado, não é a mesma coisa que uma zebra. Pode ter um jeitão parecido, e eu nem sei de fato qual é a diferença, mas sei que existe.
Certamente há quem me considere obtusa mas, pra mim, dizer “omelete sem ovos” é um contrassenso (no entanto, preparo e almoço feliz da vida uma fritada de grão de bico).

Suponho que para muita gente, pode parecer que as pessoas “naturebas”, “vegetarianas”, “veganas”, “paleo”, que não comem glúten ou laticínios, todas são parte de um mesmo grupo coeso.
Como se pode imaginar, isso não é verdade.
Cada um tem lá seus motivos para fazer as escolhas que faz, e mesmo pessoas que tenham uma dieta muito parecida, podem ter motivações muito distintas.


Carregar mais